domingo, abril 10, 2011

O MALATO ENTRE O FACTO E O FATO


Um argumento que tem sido usado com alguma frequência contra o novo acordo ortográfico é o caso de facto (sinónimo de acontecimento) passar a escrever-se fato, violando a dicção do português europeu e obrigando os portugueses a falarem como os brasileiros. Isto está completamente errado! A palavra tem dupla grafia e, entre nós, continuará a escrever-se como a pronunciamos, ou seja, facto – tal como factício e factual, palavras em que o c se pronuncia, embora em fator, fatorial, fatura e faturação, em que a consoante c é muda, ela desapareça da grafia. Vem isto a propósito de uma das últimas sessões do concurso do Sr. Malato na RTP1. Tendo perguntado a uma concorrente, opiniosa mas mal informada, o que pensava do novo acordo ortográfico, respondeu-lhe a inquirida com o argumento de peso da palavra facto. Ora o que é estranho é que o Sr. Malato, que citara o linguista Ferdinand de Saussure já não sei a propósito de quê, acabou por não desfazer o equívoco da concorrente. É claro que há coisas que sempre nos escapam, e conduzir um programa de televisão é trabalho complexo que pode dar origem a erros, omissões e lapsos... Assim, depois de ter enchido a boca de Saussure, o apresentador hesitou, calou-se, e a concorrente teve o seu momento de falsa glória. Não sei se ganhou alguma coisa no concurso: mudei logo de canal.

2 comentários:

RAA disse...

Um malacto falhado.

Manuel Nunes disse...

A consoante muda fica-lhe mesmo a matar.