terça-feira, setembro 19, 2017

CINEMA PARAÍSO

A Star is Born (1954) de George Cukor com Judy Garland e James Mason. Passou hoje na Cinemateca nas escolhas de Luís Miguel Cintra para o programa de Setembro. Um grande musical e uma homenagem ao cinema. Arrebatador.
 

segunda-feira, setembro 11, 2017

FRUTO DE SETEMBRO

Ruy Belo, Transporte no Tempo (1973). O livro contém duas partes: “Monte Abraão” e “Nau dos Corvos”. A primeira regista uma dedicatória e uma epígrafe. Dedicatória: «Ao Senhor Joaquim Baltasar, banheiro da Senhora da Guia». Epígrafe: «O pessimismo de Antero é mais alegre que o seu optimismo e a sua fé mais desoladora que a sua descrença» (Fernando Pessoa). A praia da Senhora da Guia era a que Ruy Belo frequentava em Vila do Conde, não distante do local onde os liberais de 1832 tentaram o desembarque depois conseguido em Mindelo. E Antero viveu na cidade entre 1881 e 1891. A sua casa foi entretanto recuperada e aberta ao público. Memórias que tenho de Vila do Conde, fruto de Setembro e do Outono, mas sem uvas do castigo e enterro sob o sol.  

 

domingo, setembro 03, 2017

INGRID THULIN (1926-2004)

Uma das figuras femininas mais interessantes dos filmes de Ingmar Bergman. Ao lado de outras como Bibi Andersson e Liv Ullmann. Aqui em O Rosto (1958), embora a sua mais extraordinária aparição seja talvez em Morangos Silvestres, filme de 1957.
 

quarta-feira, agosto 30, 2017

CINEMA PARAÍSO

Uma variante do mito fundado por Tirso de Molina. Além de D. Juan, comparece Pablo, o criado do sedutor, e ainda o justiceiro Convidado de Pedra. A fabulosa Bibi Andersson no papel principal. Anda tudo à volta de um velho provérbio irlandês: «A castidade de uma jovem é um terçolho no olho do diabo.» Daí o confronto entre as forças de Deus e as de Satanás. Quem ganhou? Talvez as duas. -- O Olho do Diabo, de Ingmar Bergman - Cinema Nimas, ciclo "Um Verão com Ingmar Bergman".
 
 
 

domingo, agosto 27, 2017

PINACOTECA


A ler Adoecer, de Hélia Correia, obra de ficção inspirada na figura de Elizabeth Siddal (1829-1862), modelo, poeta, pintora e musa da Irmandade Pré-Rafaelita. Hoje, no Museu Gulbenkian, calhou fotografar O Espelho de Vénus (1877), de Edward Burne-Jones, artista da fase final do movimento também referido no livro.
 
 

domingo, agosto 20, 2017